Uma ilha de privacidade com ótimo café

São Paulo tem alguns milhares de cafeterias. As estatísticas não são precisas, mas o fato é que essas casas são portos de parada de pessoas em busca de alguns minutos de paz. Diferente dos restaurantes, onde se vai para refeições completas e reuniões ou dos bares, onde a frequência é mais noturna e, não raro, em grupos de 4 ou mais pessoas, as cafeterias oferecem ao cliente um ambiente mais individual ou para conversas reservadas com ...

Leia mais


SÃO PAULO DO MEU TEMPO DE OFFICE BOY

Postado em 25 de janeiro de 2019

Nos anos 60 eu cruzava as ruas do centro, de pastinha na mão, muitas tarefas de bancos pra fazer e muita vontade de conhecer lugares e coisas. Duas casas eram uma atração especial. A Casa Edmea, na Av. Cásper Líbero, com seus queijos e laticínios finos e a Casa Godinho, que vendia arenque defumado, ovas secas defumadas de tainha, barras de alcaçuz, cubinhos de açúcar importados e outras iguarias caras e muito atraentes para mim. Meu ...

Leia mais


Synésio Jr. gravou seu nome entre os conhecedores da MPB e na memória de quem o conheceu.

Postado em 1 de fevereiro de 2017

Nos anos 60 um grupo de ingênuos e inconsequentes amigos iniciaram um empreendimento artístico com o nome de SYTA Produções, somando as duas primeiras sílabas dos dois principais fundadores, Synésio e Tadeu. Junto com amigos da mesma Rua Gabriel dos Santos e com colegas de escola, o Synésio liderou a turma na realização do 1º Festival de Música dos Bancários, vários festivais de musica de escolas estaduais, Gincana Kibon, e outros ...

Leia mais


E durante a ditadura? Tinha corrupção?

Naquele final de tarde de novembro de 1972, sexta-feira, eu saia de mais um dia de trabalho na distribuidora de cimento OCG, no prédio da Rua Boa Vista, encontrando um entardecer abafado após pesada chuva. Da rua vinha o cheiro do asfalto molhado, ainda quente do dia de verão e o som das rodas dos carros e ônibus espalhando a fina camada de água que ainda persistia sobre a movimentada via. O país vivia o milagre econômico sob a mão ...

Leia mais


COMI O PRIMEIRO PEIXE CRU E ACHEI QUE ESTAVAM ME GOZANDO.

Postado em 23 de junho de 2014

Nos anos 70 era quase impossível encontrar um brasileiro num restaurante japonês do bairro da Liberdade, em São Paulo. Os poucos que eventualmente se viam, em geral estavam acompanhando amigos japoneses ou descendentes. A gastronomia conhecida era a italiana, a portuguesa, a árabe, colônias antigas e com cultura e costumes fortemente consolidados na cidade. Outras eram menos notórias, mas também razoavelmente conhecidas como a lituana, ...

Leia mais


REPÚBLICA – A PRAÇA HIPPIE EM 60 E 70

Postado em 18 de maio de 2014

Um feriado ou final de semana do começo dos anos 70 no centro da cidade de São Paulo, onde morávamos, oferecia entre seus atrativos uma variedade enorme de cinemas. Nos mais elegantes como Ipiranga, Marabá, Marrocos, Rivoli, Olido, Metro e outros, apenas um filme, mas sempre recente. Nos mais populares, sessão dupla. Era entrar às duas da tarde, entupir-se de pipoca com manteiga, Mentex, drops Dulcora e sair às seis. Nesse horário, ...

Leia mais


Férias em Mirassol nos anos 60

Postado em 24 de fevereiro de 2014

Antes de minha irmã Maruxia conhecer o seu futuro marido, namorou durante algum tempo um rapaz que morava no apartamento em frente ao nosso, na Av. Cásper Líbero, cuja proprietária e sua filha tinham transformado a grande sala num salão de beleza que atendia freguesas da região e também alugava um quarto para dois rapazes. Um deles, o Gilberto, original da cidade de Mirassol. Eu não lembro mais em que ele trabalhava. Mas o fato é que, ...

Leia mais


BRASIL TRICAMPEÃO E A FILHA DO RELOJOEIRO

Postado em 31 de dezembro de 2013

“Noventa milhões em ação, prá frente Brasil, do meu coração. Todos juntos vamos, prá frente Brasil, salve a seleção. De repente é aquela corrente prá frente, parece que todo Brasil deu a mão. Todos ligados na mesma emoção. Tudo é um só coração, todos juntos vamos, prá frente Brasil, Brasil, salve a seleção”. Pois é. Em 1970, ano do tricampeonato da seleção brasileira, o país tinha apenas 90 milhões de habitantes ...

Leia mais


UM COLEGA DO TEATRO FOI PRESO. E NEM FOI A DITADURA

Postado em 26 de dezembro de 2013

Nos sábados à tarde em que havia ensaio do grupo de teatro infantil na casa da Teresa Cuoco, a mãe dela, Lourdes, preparava um lanche digno de se ir sem ter almoçado durante três dias. Aliás, até então eu nunca tinha conhecido uma família tão engajada nas atividades de uma de suas integrantes como a família da Teresa, adolescente como nós, talentosa e dedicada. O Cláudio Cuoco, pai da Teresa - gerente de uma agência do Banco ...

Leia mais


ENTRE O BANCO E O TEATRO.

Postado em 22 de dezembro de 2013

Chovia muito naquele começo de tarde, quando eu saia do Banco Frances e Italiano pela porta dos fundos que dava para a Rua XV de Novembro, destinada a funcionários. Confraternização às 11 horas da manhã de uma sexta-feira, troca de presentes de amigo secreto seguida de salgadinhos, mini sanduíches, refrigerantes, cervejas e uísque London Tower, do qual eu tomei várias doses. Apesar do calor típico de dezembro e do sol brilhando ...

Leia mais